Breadcrumbs

Inteligência Emocional: Caminho para o Autodesenvolvimento

Data30, junho 2017
Autortalkzdigital
Categorias

Inteligência Emocional: Caminho para o Autodesenvolvimento

Você pode ter um currículo impecável: boa formação técnica e intelectual, cursos de atualização, tempo de experiência e bons contatos. Mas todas estas características, que são decisivas na hora da contratação, podem não ser suficientes para mantê-lo no trabalho.
Atualmente, com tanta concorrência e com um mercado além de desafiador bastante oscilante, destaca no mundo trabalho não só profissionais que atinjam a meta, mas também aqueles que sabem lidar bem com as pessoas: colegas, parceiros, fornecedores e claro- clientes!
Pesquisa nos mostram que, entre as cinco das principais causas de demissão, três estão relacionadas a comportamentos ou relacionamentos.
E por isso saber relacionar e relacionar bem, hoje tem sido essencial. E por isso o autodesenvolvimento deve ser foco de muitos no mundo coorporativo. Não basta ser bom no que faz, o trabalhado hoje precisa saber lidar com pessoas.
O caminho do desenvolvimento pessoal é árduo e desafiador, mas se não for trilhado com dedicação, não proporciona a gratificante sensação de vitória tão sonhada e almejada. Para chegarmos ao pódio é necessário aprender a reconhecer e lidar com as emoções, não só a sua, mas também a do outro, é necessário ter INTELIGENCIA EMOCIONAL.
O termo Inteligência Emocional ganhou força em 1995 com a publicação do best seller de Daniel Goleman. É importante destacar que ter não é ser um cara dócil, legal, alegre o tempo todo e sorridente com as pessoas. Ser emocionalmente inteligente é ter o comando sobre suas emoções, que é algo que a maioria esmagadora das pessoas não sabem nem quais são as emoções que mais o dominam, quanto mais perceber, acessar e gerar emoções que sirvam de apoio aos pensamentos, assim como diziam Mayer e Salovey.
É uma habilidade muito pouca desenvolvida na formação do ser humano que agora tem ganhado força. As pessoas se surpreendem quando descobrem que são viciados em uma determinada emoção, que muitas vezes distorcem os filtros ao resolver ou vivenciar determinada situação.
E por isso o autoconhecimento tem ganhado tanta força, para que profissionais de sucesso tenham a competência de saber reconhecer e lidar com suas próprias emoções assim como as das pessoas de sua equipe.

MUDANÇAS DE COMPORTAMENTOS GERAM RESULTADOS DIFERENTES



Se você quer resultados diferentes na sua vida, no seu casamento ou no seu emprego, então você precisa ter comportamentos diferente.
O fluxo de reação de uma pessoa funciona basicamente da seguinte forma: pensamentos geram sentimentos, que geram ações. Se você não tem controle sobre esse fluxo não está no comando e sim sendo comandado, por emoções que sem você perceber lideram seus comportamentos.
O primeiro passo para parar esse fluxo, que muitas vezes se torna inconsciente é o autoconhecimento.
O autoconhecimento é um processo que irá lhe permitir reconhecer seus sentimentos e padrões de comportamentos que, na maioria das vezes, está no automático. Ter autoconhecimento é entender bem o que te incomoda ou o que te agrada, saber o que mexe com você, ou seja é saber reconhecer as emoções que estão presentes
A segunda etapa consiste em eleger, de forma consciente (pois já há aqui o autoconhecimento), seus pensamentos e consequentemente suas emoções e ações.
“Pensamentos geram sentimentos (emoções), que geram ações”.
A terceira etapa consiste em alinhar suas escolhas diárias com suas metas. A decisão de escolha é algo que não se baseia em pensamentos ou em emoções que nos dominam, e sim que a pessoa escolha. Por isso, nessa etapa é fundamental o uso da empatia (que é a habilidade de se colocar no lugar do outro) e da toma de decisão.
Essas três etapas proporciona sabedoria e maturidade emocional, tornando a pessoa o principal agente de sua vida.

As empresas contratam profissionais pelo currículo, mas normalmente os demitem pelas atitudes.

Voltar